quarta-feira, maio 29, 2024
spot_img
HomeBitcoinSurpresa no mercado: Banco do Brasil e BTG Pactual investem em Bitcoin

Surpresa no mercado: Banco do Brasil e BTG Pactual investem em Bitcoin

Em uma revelação surpreendente, o Banco do Brasil e o BTG Pactual foram listados entre os 30 maiores detentores do ETF de Bitcoin da BlackRock, o IBIT. A informação foi divulgada por Eric Balchunas, especialista em ETFs da Bloomberg, em uma nota publicada na última terça-feira (16). Assim, segundo Balchunas, essas 30 instituições são responsáveis por apenas 0,2% do IBIT. Isso sugere que nem todas as instituições relataram seus investimentos até o momento, o que pode alterar a tabela no futuro. No entanto, ele destaca que há muitos investidores de varejo no mercado.

Por que o Banco do Brasil está comprando Bitcoin?

“Uma análise atualizada dos detentores de IBIT mostra que há cerca de 30 deles até agora (principalmente fundos e consultores), representando 0,2% das ações emitidas, o que significa que isso é apenas a pontinha do iceberg”, comentou Balchunas.

O analista observa que muitas instituições estão ‘testando as águas’, ou seja, realizando pequenos aportes quando comparados ao montante total administrado por elas. Assim, no caso do BB, sua participação seria de US$ 1,59 milhão (R$ 8,36 milhões) e no caso do BTG de apenas 272 mil dólares (R$ 1,43 milhão).

Mas a lista também inclui o VP Bank, de Liechtenstein, e o Old National Bancorp, dos EUA, além de diversos fundos de investimento. Então, segundo os dados mais recentes, o ETF da BlackRock já detém 270.055 bitcoins (R$ 89 bilhões), sendo o segundo maior do mercado atrás apenas do GBTC da Grayscale (299.212 BTC).

Mas por que o Banco do Brasil está comprando Bitcoin? Em um comunicado de 2022, o banco anunciou a criação de um fundo de criptomoedas para investidores qualificados. Portanto, as compras no IBIT podem representar uma crescente demanda do mercado por Bitcoin.

“O mercado de cripto ainda é novidade para muitos investidores, mesmo entre os qualificados, por sua especificidade, além da alta volatilidade. Mas, ao mesmo tempo, é nesse cenário que podem surgir oportunidades para aqueles que topam assumir um pouco mais de risco.” – disse Eduardo Villela, gerente executivo de Captação e Investimentos do BB.

Como será daqui para frente

Vale lembrar que existem ETFs de Bitcoin no Brasil, como HASH11, BITH11 e QBTC11, que poderiam servir como ponte para o BB. 

A aparição do BTG Pactual entre os maiores detentores do ETF de Bitcoin da BlackRock não causa espanto. Afinal, o banco já tem exposição ao mercado de criptomoedas há anos e possui sua própria corretora de Bitcoin, a Mynt.

Por fim, a tendência é global. O maior banco estatal da Alemanha revelou na última segunda-feira (15) que estará oferecendo serviços de compra e custódia de Bitcoin aos seus clientes nos próximos meses. O mesmo acontece nos EUA, à medida que a demanda pela criptomoeda só aumenta.

Paulo Cardoso
Paulo Cardoso
Formado pela PUC-RJ (2002) em Jornalismo, com Pós Graduação na ESPM-RJ (2006) em Comunicação com o Mercado. Trabalhou em rádio, jornal, editora de livros como revisor e agências de publicidade como redator, estratégia de negócio e social media. Editorias trabalhadas: entretenimento, futebol, política, economia, petróleo, marketing, negócios, iGaming e tecnologia.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
- Advertisment -spot_img

últimas notícias

- Advertisment -spot_img