quinta-feira, junho 13, 2024
spot_img
HomeNegócios“MicroStrategy japonesa” tem valorização de 158% após adotar Bitcoin

“MicroStrategy japonesa” tem valorização de 158% após adotar Bitcoin

No início de abril, a empresa japonesa Metaplanet decidiu adotar o padrão Bitcoin e comprou US$ 660 milhões em BTC. Esse movimento, segundo a empresa, visava fortalecer seu caixa, o que rendeu à Metaplanet o apelido de “MicroStrategy da Ásia”.

“MicroStrategy da Ásia” prova que o Bitcoin funciona

Então, quase dois meses depois, essa estratégia se provou um sucesso e impulsionou significativamente o desempenho da empresa. Só na semana passada, as ações da Metaplanet valorizaram 158% durante um rali que durou cerca de três dias. 

Mas, após esse período, a negociação de ações foi interrompida por dois dias consecutivos. Mesmo assim, a Metaplanet ainda lidera entre as ações japonesas como a que mais tem ganhos. Nos últimos 30 dias, os papéis da empresa registraram uma alta de quase 80%.

A Metaplanet ganhou destaque devido à sua estratégia de acumular BTC como parte de seu caixa, estratégia essa comparada à da MicroStrategy. Antes disso, a empresa já havia mudado seu nome para Metaplanet, destacando sua atuação nas áreas de Web3 e Metaverso. 

Assim, o preço das ações da Metaplanet atingiu um pico de 93 ienes japoneses, mas depois caiu para cerca de 57 ienes. De qualquer forma, a bolsa do Japão possui uma regra curiosa para empresas cujas ações têm um preço inferior a 100 ienes: elas só podem aumentar no máximo 30 ienes por dia. Portanto, se o preço subir acima desse limite, a Bolsa de Valores de Tóquio (TSE) paralisa as negociações. 

Por isso houve a interrupção nos papéis da Metaplanet, já que a empresa conseguiu cruzar esse limite de valorização por dois dias consecutivos.

Desafios no Japão

Desde que anunciou sua estratégia de investimento em Bitcoin em abril, a empresa adquiriu 117,7 BTC, atualmente avaliados em US$ 7,2 milhões. Mas esse valor é apenas uma fração dos mais de US$ 660 milhões que a Metaplanet planeja alocar em criptoativos. 

Assim, no último dia 13 de maio, a empresa revelou que pretende utilizar um “espectro completo de ferramentas do mercado de capitais para aumentar suas reservas de Bitcoin.” Ação semelhante ao plano da MicroStrategy.

A empresa atribuiu sua estratégia de investimento em Bitcoin às preocupações com a escalada da dívida do Japão e a rápida desvalorização do iene. O Japão é o país mais endividado do mundo, com uma dívida que corresponde a 261% do PIB. 

Ou seja, historicamente, o Japão tem uma inflação baixa e o iene é uma moeda que geralmente se valoriza em relação ao dólar. Mas desde 2021, a moeda japonesa perdeu mais de 34% em relação à moeda americana. Mas, enquanto o iene se desvalorizava, o Bitcoin subiu quase 190% em relação ao iene japonês somente no ano passado.

Paulo Cardoso
Paulo Cardoso
Formado pela PUC-RJ (2002) em Jornalismo, com Pós Graduação na ESPM-RJ (2006) em Comunicação com o Mercado. Trabalhou em rádio, jornal, editora de livros como revisor e agências de publicidade como redator, estratégia de negócio e social media. Editorias trabalhadas: entretenimento, futebol, política, economia, petróleo, marketing, negócios, iGaming e tecnologia.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
- Advertisment -spot_img

últimas notícias

- Advertisment -spot_img