segunda-feira, maio 27, 2024
spot_img
HomeAltcoinPagamentos com criptomoedas aumentam na América Latina

Pagamentos com criptomoedas aumentam na América Latina

As criptomoedas, especialmente as stablecoins, estão cada vez mais presentes não apenas no cenário especulativo, mas também na vida cotidiana das pessoas. Recentemente, a BitPay, empresa de processamento de pagamentos, divulgou que 332 mil transações com criptomoedas foram realizadas nos últimos seis meses. Esse número expressivo demonstra a crescente aceitação e uso das criptomoedas no mundo todo.

Imagem: Wallpaper Cave / goyawave

Stablecoins são as criptomoedas mais usada nas transações financeiras

De acordo com Ernesto Contreras, fundador e diretor de desenvolvimento de negócios no setor de criptomoedas, as stablecoins se destacam no cenário atual devido à sua estabilidade de valor. Enquanto o Bitcoin e outras criptomoedas são conhecidos por sua volatilidade, as stablecoins são lastreadas em ativos como o dólar americano. Isso proporciona mais previsibilidade nas transações.

Apesar de representarem menos de 10% do valor total do mercado de criptomoedas, as stablecoins estão presentes em mais de 70% do volume de transações na rede blockchain. Ou seja, elas se tornaram a opção preferida para o envio de remessas internacionais, principalmente na América Latina.

Para Contreras, a América Latina se destaca no cenário global de pagamentos com criptomoedas. Milhões de pessoas na região já adotaram esses ativos como alternativa às moedas locais, aproveitando a facilidade de acesso proporcionada pelos smartphones. 

Um estudo da Chainalysis confirma essa tendência, mostrando como as criptomoedas se tornaram parte integrante do dia a dia dos latino-americanos.

Países como Venezuela, Brasil, Argentina e México se destacam nesse cenário, pois as criptomoedas têm ajudado a minimizar os efeitos de crises econômicas. No entanto, Contreras acredita que a região pode se beneficiar ainda mais com soluções baseadas em “dólar digital”. Assim, esse tipo de transação poderia melhorar as relações cotidianas e impulsionar a prosperidade econômica.

Um dos principais exemplos citados por Contreras é o envio de remessas para a América Latina. Atualmente, esse processo é burocrático e pode envolver taxas elevadas, horas de espera e até mesmo perda de dinheiro durante a transferência. 

No entanto, com o uso de stablecoins, esses problemas podem ser facilmente resolvidos, tornando as transações mais eficientes e econômicas para todos os envolvidos.

Paulo Cardoso
Paulo Cardoso
Formado pela PUC-RJ (2002) em Jornalismo, com Pós Graduação na ESPM-RJ (2006) em Comunicação com o Mercado. Trabalhou em rádio, jornal, editora de livros como revisor e agências de publicidade como redator, estratégia de negócio e social media. Editorias trabalhadas: entretenimento, futebol, política, economia, petróleo, marketing, negócios, iGaming e tecnologia.
NOTÍCIAS RELACIONADAS
- Advertisment -spot_img

últimas notícias

- Advertisment -spot_img